Digite seu e-mail!
Fernanda Marques>News

News

Pense magro

Vencer a batalha contra o excesso de peso depende de determinação e força de vontade, salvo eventuais problemas de metabolismo diagnosticados por exames clínicos.
Na dificuldade para controlar o apetite reflita: será que você realmente está com fome ou está descontando sua ansiedade na comida?
A seguir algumas dicas que podem lhe auxiliar nesse processo de perda de peso, mas lembre-se: nunca inicie uma dieta sem a orientação de um nutricionista ou médico, pois qualquer mudança drástica na sua alimentação pode prejudicar a sua saúde.

Estabeleça metas realistas


Os tratamentos de emagrecimento buscam a meta de perda de 5 a 10% do peso corporal – alcançar isso aos poucos será mais fácil para manter o resultado.
É importante, antes de iniciar uma dieta, fazer uma avaliação médica ou nutricional para afastar qualquer disfunção metabólica que possa dificultar esse processo ou que necessite de tratamento.
Os remédios para emagrecer agem no cérebro e podem apresentar reações colaterais físicas ou psicológicas.
Sua principal indicação é para casos de obesidade, quando o índice de massa corporal (IMC) é superior a 30, e sua administração requer acompanhamento médico.

Adote uma nova postura

Prepare os alimentos de forma menos calórica – uma carne grelhada com tempero de ervas pode ser mais saborosa que outra acompanhada de molhos gordurosos.
Evite comprar alimentos mais calóricos.

Conheça os alimentos

As frutas são alimentos saudáveis, mas que também podem ser calóricos se não forem observadas a quantidade e tamanho das porções.
O ideal é uma porção (50 calorias) 3 a 4 vezes ao dia, o que corresponde a uma banana pequena, uma laranja ou metade de um mamão pequeno.
Verduras e legumes, principalmente saladas cruas, devem estar presentes em todas as refeições porque são fontes de fibras e dão maior saciedade.
Beber muita água é outra regra: melhora a função intestinal, a saúde da pele, auxilia na limpeza do organismo e contribui para um emagrecimento saudável.

Mantenha-se vigilante

Você assumiu um compromisso, um objetivo consigo mesmo, não boicote a si mesmo.
O maior erro é seguir à risca a dieta durante a semana e liberar tudo na sexta-feira.
Mastigue bem os alimentos, saboreando-os bem, pois quando comemos muito rápido acabamos consumindo mais do que deveríamos em razão da saciedade se dar de forma mais lenta.
Estabeleça horário para as refeições e evite fazer longos intervalos entre elas, substituir refeições por lanches rápidos ou comer assistindo à televisão sem atenção a quantidade ingerida – tais comportamentos geram um desequilíbrio hormonal e passamos a ganhar peso com menos calorias ingeridas.

Predisposição genética

A genética responde por 33% dos fatores que definem o peso, ou seja, filhos de pais obesos têm 33% de probabilidade de serem obesos.
Isso significa que a incorporação de novos hábitos como uma alimentação adequada e atividade física diária é capaz de reverter esse processo e possibilitar a perda de peso.
Neste caso, a pessoa deve manter os cuidados diariamente, pois o organismo tem a capacidade de retornar à forma original determinada pela genética. Só retoma os quilos perdidos quem deixa de se cuidar.

Atividade física

A atividade física regular é essencial porque auxilia a manter o peso ideal e fortalece a musculatura. É a principal responsável pela manutenção do peso a longo prazo.
Melhora o humor e a autoestima, ajuda a relaxar e a lidar melhor com o estresse do dia a dia.
Após os 60 anos, a prática de exercícios ajuda a diminuir a perda de massa óssea, características da osteoporose, e retarda o aparecimento de doenças degenerativas.
A combinação de reforço muscular (musculação, pilates, ioga) e atividades aeróbicas (corrida, caminhadas, natação) é a ideal, sempre associada a alimentação adequada.
O American College of Sports Medicine recomenda 150 minutos de exercícios aeróbicos por semana e musculação 2 a 3 vezes, respeitando as condições de saúde da pessoa e com orientação profissional.



Efeito sanfona

É preciso estar atento para não recuperar o peso perdido na dieta.
A chave está em nosso cérebro: a oferta de alimentos calóricos e saborosos é muito maior que a de alimentos pouco calóricos com sabor agradável. Nosso cérebro acaba nos levando ao consumo dos primeiros, como um mecanismo de recompensa ao período de dieta.
Lembre-se: cada vez que o corpo engorda, o nível de dificuldade para emagrecer aumenta proporcionalmente.

Mude o foco

Busque alcançar na reeducação alimentar mais saúde e beleza, não apenas a perda de peso.
Cultive a auto-estima. A capacidade de olhar-se e ter a sensação boa de sentir-se bem – essa mudança de foco torna a dieta um meio de obter uma vida mais saudável.
Emagrecer significa tomada de consciência, saúde e bem-estar.

Fator idade

Após os 30 anos, o ritmo do metabolismo cai de 2 a 4 % por década. Após os 35 anos, o corpo tende a ganhar 5kgs a cada 10 anos e, após os 45 anos, perde-se em torno de 10% da massa muscular a cada 10 anos.
Para driblar estas perdas, a educação alimentar associada a pratica de exercícios é essencial para fortalecer a musculatura e minimizar os efeitos do tempo.

Aferição do peso

A verificação diária do peso pode gerar mais ansiedade e não demonstrar a real perda ponderal.
O peso absoluto não é tão importante quanto o percentual de gordura do organismo.
Uma pessoa em tratamento para emagrecer poderá não perder tanto peso quanto esperava. De outro lado, perde massa gorda (gordura) e ganha massa magra (músculo),tornando-se mais saudável. O ideal, além de se calcular o IMC, é a avaliação constar os parâmetros de massa gorda e massa magra (bioimpedância).
A aferição do peso na balança pode ser vista uma vez por semana, idealmente no período da manhã. Às mulheres, observamos que o período menstrual é caracterizado pela retenção líquida e pode aumentar o peso em até 1 kg.